Etimologia: entenda a origem e evolução das palavras

A etimologia é um tema que perpassa todo o estudo da língua portuguesa. Isso porque ela trata da origem das palavras e como elas foram se alterando ao longo do tempo até chegar a sua forma atual.

A própria palavra – “etimologia” – é um exemplo disso. Ela tem origem na junção de dois termos do grego antigo: “étymon“, que significa “verdadeiro significado”, e “logia”, que significa “estudo”. A palavra “etymología” pode ser entendida, portanto, como o estudo do real significado das palavras.

A origem das palavras

Como vimos, a etimologia é o campo da linguística que estuda as palavras. O português – assim como outras línguas latinas – possui muitos termos que derivam do grego e do latim. No caso específico do Brasil, ainda temos forte influência dos povos originários.

Dessa forma, a etimologia é fundamental para entendermos nosso idioma através da História. Ela ajuda, por exemplo, a explicar porque certas palavras são escritas com ‘s’ e outras com ‘ss’, ‘ç’, ‘sc’, ‘c’ ou qualquer outra possibilidade existente que representa o fonema /s/.

Um exemplo: animais herbívoros são aqueles que se alimentam de ervas. O nome fica mais claro quando consultamos a etimologia da palavra “erva” e descobrimos que ela deriva do latim “herba”.

Outro exemplo: o gentílico fluminense, para designar as pessoas nascidas no Rio de Janeiro. A palavra se origina do termo “flumine” em latim, que significa “rio”. Trata-se de uma alusão ao Rio Carioca, localizado no município do Rio de Janeiro.

Vale notar também que o Português possui palavras com origem em outros idiomas. É o caso da palavra “bife”, que é uma adaptação da fonética do termo “beef”, em inglês. Ou do caso de palavras como “abajur” ou “sutiã”, que são francesas (“abajour” e “soutien”).

Por fim, é a etimologia que nos traz informação sobre as mudanças na nossa língua. Até o começo do século XX, a palavra “farmácia” era grafada com ‘ph’. Isso acontece porque esse termo deriva do grego, língua em que a letra ‘f’ não existe.

Palavras convergentes e divergentes

Dentro da etimologia temos duas classificações abrangentes, que se baseiam na evolução das palavras ao longo do tempo:

Palavras divergentes

Possuem a mesma origem, mas são diferentes em relação à grafia ou à fonética.

Exemplo: “óculos” e “olho” derivam do mesmo termo em latim, “oculum”. Por isso, falamos “ocular” para tudo que se refere aos olhos.

Palavras convergentes

Possuem origens diferentes, mas se tornaram próximas em grafia ou fonética conforme evoluíram com o passar da História. É o que acontece, por exemplo, com as palavras homônimas.

Exemplo: “rio” (primeira pessoa do singular do verbo “rir”, derivada do latim “ridere”) e rio (relativo ao curso d’água, com origem no latim “rivus”).

Para aprender mais

Para aprender mais sobre a formação de palavras, assista à aula abaixo:

Espero que esse post ajude você a entender hiperônimo e hipônimo. Se tiver dúvidas e quiser aprender mais sobre redação e gramática, acesse meu site e inscreva-se para receber meus conteúdos!

SAIBA MAIS

📚 USO CORRETO DA CRASE

📚 CONCORDÂNCIA VERBAL: EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

📚 COMO DIFERENCIAR ‘MAL’ DE ‘MAU’? GUIA RÁPIDO!

Acompanhe meu trabalho nas redes sociais: curta a minha página no Facebook, siga meu perfil no Instagram, inscreva-se no meu canal no Youtube e participe do meu grupo oficial no Telegram.

Compartilhar:

Deixe uma resposta