Você sabe a diferença entre polissemia e ambiguidade? Esses dois conceitos, que geralmente caem nas provas, costumam confundir muitos alunos. Por isso, neste post, vamos entender melhor o que é semântica, os conceitos de polissemia e ambiguidade e a diferença entre ambas, para que você nunca mais as confunda. Acompanhe!

Polissemia e Ambiguidade: qual a diferença entre elas?

Você sabe a diferença entre polissemia e ambiguidade? Esses dois conceitos, que geralmente caem nas provas, costumam confundir muitos alunos.

Por isso, neste post, vamos entender melhor o que é semântica, os conceitos de polissemia e ambiguidade e a diferença entre ambas, para que você nunca mais as confunda. Acompanhe!

Semântica: conceito

Quando falamos de polissemia e ambiguidade entramos no campo da semântica. Você sabe o que isso significa? A semântica estuda o significado e a interpretação de uma palavra, frase ou expressão da língua portuguesa em diferentes contextos.

Um exemplo: a palavra ‘manga’. Será que estou falando da fruta ou da parte da roupa que fica sobre os braços? Esse é um caso clássico do estudo da semântica: palavras com a mesma grafia, mas significações diferentes.

Quando estudamos semântica, existem alguns tópicos principais dentro desse conteúdo. São eles: sinônimos e antônimos; homônimos e parônimos; polissemia e ambiguidade; estilística.

Polissemia

Para entender o que é polissemia, é importante compreender a origem dessa palavra. Ela vem do grego ‘polysemos’. Como sabemos, ‘poli’ significa ‘muito’, ‘várias’.

Ou seja, polissemia nada mais é do que palavras ou expressões com vários sentidos, que vão depender do contexto em que elas foram inseridas. Lembra-se do exemplo da palavra ‘manga’? Trata-se de uma palavra com carga semântica múltipla.

Outros exemplos:

  • braço (o membro do corpo ou a parte da cadeira?).
  • banco (para sentar ou para guardar dinheiro?).

Ambiguidade

Novamente, vamos entender a palavra. Toda vez que utilizamos ‘bi’, estamos nos referindo a ‘dois’. Assim, esse termo se refere a um trecho ou expressão que possuem mais de um entendimento possível, gerando problemas na compreensão da sentença.

De cara, já podemos destacar uma diferença básica entre esses conceitos. A polissemia é correta, isto é, podemos utilizar a palavra em seus diferentes significados sem problemas.

Em contrapartida, a ambiguidade é um vício de linguagem, um erro, pois trata-se de uma frase mal-construída que leva a uma falha no seu entendimento. Por isso, a ambiguidade não pode ser utilizada na redação do Enem ou do vestibular.

Exemplos:

  • Eu avisei ao aluno que estava doente.

Note: quem estava doente? Eu ou o aluno?

  • Eu peguei o ônibus correndo.

Afinal, quem estava correndo? Eu ou o ônibus?

Veja que a ambiguidade não deixa claro qual é o referente da oração. E isso não acontece na polissemia, pois podemos falar da manga da camiseta e da fruta sem problemas de entendimento.


Espero que este post tenha ajudado você a compreender mais sobre a diferença entre polissemia e ambiguidade. E para entender mais sobre essas dicas, confira meu vídeo abaixo:


Se tiver dúvidas e quiser aprender mais sobre redação e gramática, acesse meu site e inscreva-se para receber meus conteúdos!

SAIBA MAIS

➡️ Cronograma de estudo para dominar Português até o Enem

➡️ Segredos dos Tipos de Linguagem

➡️ Exercícios Resolvidos das Formação das Palavras

Me acompanhe nas redes sociais: curta a minha página no Facebook, me siga no Instagram, se inscreva no Youtube e participe do meu canal oficial no Telegram.

Compartilhar:

Deixe uma resposta